A importância da diversidade de gênero na gestão de crises

Obra de arte de Lucrecia Dilda, pintora brasileira

Há mais de um ano em uma crise humanitária global de saúde, somos testemunhas da atuação de lideranças femininas ao redor do mundo à frente de algumas das melhores estratégias no combate ao Covid-19 e suas consequências. Lideranças femininas têm se posicionado de forma contundente na defesa da vida, da saúde e da dignidade humana.

Tsai Ing-wen, presidente de Taiwan, Jacinda Ardern, primeira ministra da Nova Zelândia, Angela Merkel, chanceler da Alemanha, Katrín Jakobsdóttir, primeira ministra da Islândia, Erna Solberg, primeira ministra da Noruega, Sana Marin, primeira ministra da Finlândia, entre outras, com atitude firme e empática, têm obtido resultados exemplares desde os primeiros dias na luta contra a pandemia.

Avivah Wittenberg-Cox, colunista da revista Forbes, em seu artigo What do Countries with the best Coronavirus responses have in common ?  Women Leaders publicado em abril de 2020, considerou essas mulheres «exemplos de verdadeira liderança». «As mulheres estão se colocando à frente para mostrar ao mundo como gerenciar um caminho confuso para a nossa família humana», escreveu. 

Recentemente, um grupo de empresários liderado pela brasileira Luiza Helena Trajano, começou uma campanha que visa facilitar a vacinação contra o Covid-19 no Brasil. No Instagram, a empresária escreveu: “Este é o movimento Unidos pela Vacina. O nosso objetivo é vacinar todos os Brasileiros até setembro deste ano”.

Quais as atitudes e estratégias que estas lideranças femininas possuem em comum na gestão de crises?

Para esclarecer esta e outras inquietações, analisarei a recente pesquisa publicada na Harvard Business Review em 30.12.2020: Women Are Better Leaders During a Crisis, de Jack Zenger e Joseph Folkman.

De acordo com a avaliação Líder – 360 graus, realizada de março a junho de 2020, as mulheres foram avaliadas na sua eficácia de liderança. Participaram da pesquisa 454 homens e 366 mulheres. Esses dados foram comparados com outro estudo de mesma metodologia e anterior ao início da pandemia Covid-19.

A análise pré-pandemia e durante a crise Covid -19 aponta consistentemente que as mulheres foram mais bem avaliadas do que os homens em todas as competências. Igualmente, comparando a avaliação geral da eficácia da liderança, outra vez elas foram classificadas como líderes mais eficazes. Os pesquisadores indicam que “possivelmente, as mulheres tendem a performar melhor em crises”.

O relatório demonstra que as mulheres foram mais bem avaliadas em 13 das 19 competências de liderança, e os homens apenas em uma: conhecimento técnico e profissional.

As líderes femininas também obtiveram escore superior na categoria de “engajamento dos empregados”. No aprofundamento da análise sobre o que impulsionava essa diferença, foram destacadas como mais importantes durante uma crise as competências interpessoais, tais como: «inspira e motiva», «comunica poderosamente», «colaboração e trabalho em equipe» e «construção de relacionamentos». As mulheres foram melhor avaliadas em todas essas habilidades por seus subordinados diretos.

Como conclusão do estudo, Zenger e Folkman revelaram que:

Tal vez a parte mais valiosa dos dados que coletamos ao longo da crise foi a de ouvir milhares de subordinados diretos sobre o que eles valorizam e precisam dos líderes agora. Com base em nossos dados eles querem líderes que sejam capazes de “pivotar” e aprender novas habilidades; enfatizar o desenvolvimento dos empregados, mesmo em tempos difíceis; que demonstrem honestidade e integridade; que sejam   sensíveis e compreendam o estresse, a ansiedade e a frustração que as pessoas estão sentindo. Nossa análise mostra que essas são características que as mulheres manifestam com mais frequência. Mas à medida que a crise continua e se intensifica em muitos lugares, todos os líderes, independentemente do gênero, devem se esforçar para atender essas necessidades.”

Além das competências e habilidades da liderança da mulher reveladas no estudo de Zenger e Folkman, e segundo minha experiência e visão pessoal na gestão de crises, elas possuem vivência e percepção holística, considerando em suas análises e tomada de decisão às particularidades de cada um dos “stakeholders” afetados. Essas qualidades são próprias da natureza feminina e certamente estão fazendo  a diferença de forma positiva na gestão da crise do Covid-19.

Portanto, a diversidade de gênero tem importância fundamental na gestão de crises. Dar a oportunidade, incentivar e apoiar o desenvolvimento das mulheres para papéis importantes, não só contribuirá durante o período de crise do Covid-19, mas também formará a base para fazer frente ao desafio da humanidade na retomada pós pandemia. Em consequência , quando as mulheres e os homens exercem seus próprios papéis, na verdade estão aplicando competências necessárias, úteis e complementares, para juntos resolver os diversos problemas e assumir responsabilidades compartilhadas perante a sociedade, as empresas, as organizações, a família, ao meio ambiente e a vida.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

Esta entrada tiene 8 comentarios

  1. Elaine

    Parabéns Liane. Muito interessante e real!

  2. Parabéns pelo excelente artigo. Uma abordagem com clareza e profundidade. Vivemos momentos de conflitos intensos na sociedade e assim juntos, mulheres e homens, serão capazes de desenvolver novas tecnologias que provocarão crescimento do conhecimento e habilidades visando o bem comum.

  3. Klênio

    Parabéns, sua competência e experiência profissional, assegura um artigo extraordinário sobre habilidades, diversidades e conflitos entre mulheres e homens. As mulheres realmente tem uma visão global refinada e tem uma peformance superior aos dos homens….Parabéns..

  4. Lucrécia Dilda

    parabéns pela valorização da mulher .

  5. Marisa Dilda Posser

    Parabéns Liane!
    Muito bom.

  6. Aglaê Raedler

    Parabéns pelo excelente artigo . É sempre complicado falar sobre a diferença entre homens e mulheres . Você foi muito feliz em destacar as competências das mulheres em posição de liderança e gestão de crise . Já estou à espera do próximo ! Sucesso

  7. Denise De Luca

    Excelente artigo. Os exemplos citados foram enriquecedores para fundamentar a ideia do sucesso da liderança feminina. No aguardo do próximo artigo.

Deja una respuesta

Ultimos articulos